• Uncategorized
  • News
  • News from ACTSA
  • Features
  • Latest posts

  • What we write about

  • Archived posts

  • Angola swears in first new president in 38 years

    By Robyn | September 28, 2017

    On Tuesday 26th September 2017 Angola swore in new president Joao Lourenco. Lourenco succeeds Jose Eduardo dos Santos who has been Angola’s head of state for 38 years. Both men are of the Movimiento Popular de Libertação de Angola (MPLA), the party which has ruled the nation since independence in 1975, with Dos Santos taking the helm in 1979.

    The inauguration follows last month’s elections, in which the MPLA won with 61 percent of the vote. A result notably lower than in previous elections. The outcome has been fervently contested by opposition party UNITA who boycotted the inauguration. However, UNITA’s insistence that the elections were marred by unfair media coverage and queries over vote-counting does not seem to have tainted the inauguration in the eyes of regional powers. President Jacob Zuma of South Africa was one of several African leaders to attend the inauguration.

    Prior to his leadership bid Lourenco was most recently Angola’s defence minister, and prior to this served as the party’s secretary-general for a number of years. He campaigned on the platform of guaranteeing the nation’s development and progress, creating job opportunities and improving health and school systems. He has also vowed to tackle corruption within the MPLA, a promise met with some scepticism by the MPLA’s critics.

    It remains to be seen to what extent Lourenco will be able to carve out a new path as president out of the shadow of Dos Santos. As previously reported in ACTSA’s Angola Monitor, despite stepping down as leader of the country Dos Santos remains leader of the MPLA, and with his two children occupying key positions of strategic and economic power in the nation many believe he will continue to hold considerable influence.

    If you would like to keep in touch with developments in Angola ensure you are signed up to receive the Angola Monitor, published quarterly by ACTSA. 

    Topics: News | No Comments »

    The Future of Demining in Angola: Women Lead the Way

    By Robyn | September 22, 2017

    UK based NGO The HALO Trust earlier this year launched a new project ‘100 Women in Demining in Angola’. The project hopes to train and employ 100 women in Angola as deminers, medics, drivers and mechanics, empowering women and boosting mine clearance in the country. In June HALO began  recruiting the first 20 female deminers from the province of Benguela in Western Angola. The women trained outside of Huambo and following completion of the rigorous training will return to Benguela to begin clearing live minefields and building a future for their home communities.

    The landmines are the dangerous remnants of the protracted civil war which ended in 2002, having consumed the country since independence in 1975. In the aftermath of the conflict it was estimated that 982 square kilometres of land were contaminated, in all 18 of Angola’s provinces. These landmines, laid on roads and tracks, around villages and buildings, have rendered large swathes of land inaccessible, massively impacting the livelihoods and security of the population. 15 years on some progress has been made with an estimated third of the country cleared of mines, but there remains a long way to go.

    Land mine clearance has historically been a male dominated industry in the nation, but HALO are looking to diversify their team and offer training and employment for women in an otherwise hostile climate. It is hoped that the scheme will provide employment and a source of income whilst empowering the women in their communities. Through incorporating the women into demining operations as skilled agents and an integral part of the process, the project repositions women as central to conversations on the future of their communities; thus recasting the limitations that birth and economic status has imposed upon them. Furthermore, looking to the future it is planned the women will be able to take the skills learnt in this role to contribute to the development of Angola in other ways.

    The first cohort of deminers were deployed in their home province of Benguela in August, where, according to HALO there are more than 80 known minefields. Since then the team have found 133 anti-personnel mines and cleared almost 8000 square metres of land. The second round of recruitment will be taking place this month and an additional 20 women will be trained in October.  HALO hope the project will lead the way for land mine clearance in the area, kick-starting both government led and local programmes.

    As ACTSA reported earlier this year,  funding cuts have seen many mine-clearance projects paused in Angola. The UK ceased bilateral aid to Angola in 2011 but with the recent commitment of £100million to mine action globally, Angola might possibly receive funding from this allocation.

    Read more on 100 Women in Demining in Angola at www.halotrust.org/100women

    To keep in touch with developments in Angola ensure you are signed up to receive the Angola Monitor, published quarterly by ACTSA. 

     

    Topics: News | No Comments »

    Angolan Elections: Angola will change the question is how much?

    By Tony | August 23, 2017

    Angolans are voting today, 23rd August in national elections. Whoever wins one thing is certain Angola will have a new president for the first time in 38 years. José Eduardo dos Santos is stepping down as President of the country but remaining the leader of his party, the MPLA.

    The person most expected to be the next president is the current Minister of Defence João Manuel Gonçalves Lourenço who is the MPLA’s candidate for President.

    While the focus is on the president – who is elected by the national assembly not directly – there will also be a focus on the turnout and the strengths of the various competing parties. Will the MPLA retain its commanding majority? (The MPLA received 72% at the last election), or could their majority drop to below 66%? If it does it will be unable to change the constitution.

    There have been concerns about the fairness of the electoral process and whether it has been significantly skewed in favour of the MPLA who have all the advantages of being the ruling party since independence in 1975. The EU is not sending an election observer team as they say they were not guaranteed access to all polling stations, in all parts of the country. However despite this they have sent some experts.

    Whatever the outcome of the election, with a new head of state, oil at around half its 2013 price and not expected to get anywhere near the 2013 level in the foreseeable future Angola will undeniably see some change. The question is how much and of what nature. Will it be very much a change of some key people, perhaps a change of style but no real substantial change? Or could the change be more far reaching than many currently anticipate?

    Angola suffered from a long and bloody war that left the country devastated. Much has been done to improve Angola’s infrastructure but the wealth and potential of Angola has so far not been used to significantly reduce poverty and inequality, nor improve health and education. All of which are key areas that many Angolans, whoever they vote for, are keen to see addressed. Thus there will certainly be change, but it remains to be seen if this change will lead to substantial and lasting improvement in the lives of the average Angolan.

    To keep in touch with developments in Angola ensure you are signed up to receive the Angola Monitor, published quarterly by ACTSA.

    Topics: News | No Comments »

    Angola Election: Observer missions invited but possibly no EU team

    By Robyn | August 3, 2017

    Angolan President Jose Eduardo dos Santos has invited a number of organisational and individual observers to witness the forthcoming election. Amongst them are the African Union (AU), the European Union (EU) and the Southern African Development Community (SADC) as well as former Presidents from Ghana, East Timor and Mozambique amongst others. Opposition party, the União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) have appealed to the US government and international community to closely follow the electoral process. However it is uncertain if the EU will send an observer mission. It is understood the EU have requested unfettered access to polling stations which the Angolans are said to have refused. Negotiations as to whether the EU will send an election observer mission were continuing in mid-July.

    The SADC Electoral Advisory Council (SEAC) and African Union (AU) delegations are already in the country evaluating preparations for the elections. Interior minister Eugenio Laborinho spoke following meetings with delegations from both parties, stating that learnings from previous elections had been made and security provisions safeguarded.

    There have been calls from all parties to avoid anti-democratic means, however some critics have questioned their commitment after protests for transparent elections in May were met with the arrest of 7 activists. Angola’s general election will take place on 23rd August 2017.  The largest opposition party UNITA have expressed some concern about the support in the state media for the ruling Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

    If you would like to hear more on Angola, ACTSA publishes the Angola Monitor, a quarterly publication covering the latest human rights, aid & development, economic and politics news from Angola.  Sign-up here.

    Topics: News | No Comments »

    Angola has a long way to go on human rights

    By ACTSA | December 12, 2016

    10 December was Human Rights Day. ACTSA’s Senior Campaigns Officer Sunit Bagree argues that Angola has a long way to go to Read the rest of this entry »

    Topics: Features, News, News from ACTSA | No Comments »

    Angola Monitor: Oil price crash, yellow fever outbreak and much more

    By ACTSA | October 20, 2016

    The Angola Monitor is our quarterly look at the politics, economics, development and human rights issues in Angola. Each issue is produced in English and Read the rest of this entry »

    Topics: News, News from ACTSA | No Comments »

    Angola: President names his billionaire daughter as head of state oil company

    By ACTSA | June 3, 2016

    President dos Santos has appointed his daughter Isabel, who according to Forbes magazine is worth an estimated Read the rest of this entry »

    Topics: News | No Comments »

    Angola: activist ends hunger strike after 36 days

    By ACTSA | October 30, 2015

    Luaty Beirão ended his hunger strike on 27 October after 36 days with increasing fears for his health. Luaty Beirao was one of the 15 activists/dissidents arrested in June. The authorities accuse them of plotting rebellion. Amnesty International regards them as prisoners of conscience imprisoned  for their political opinions and for exercising their freedom of expression and association.

    Read more

    Topics: News | No Comments »

    Angola Monitor 3/2015

    By Fiona | August 3, 2015

    The latest issue of the Angola Monitor is now available online in both English and Portuguese

    This issue covers:

    Political News : President Hollande’s visit to Angola, President dos Santos’ state visits to China and Italy, dos Santos not stepping down early

    Economics News: New loan from World Bank, economic diversification, exports to the United States reach record high and the AGOA 2015

    Human Rights News: an update on the sect killings in Huambo province, the trial of Rafael Marques, NGOs express concern about a serious pattern of disregard for freedom of opinion, expression and peaceful assembly in Angola

    Aid and Development News: China’s investment and aid, Can Angola half poverty? Luanda International Fair 2015

    Topics: News from ACTSA | No Comments »

    O Monitor de Angola No 2, 2015

    By Fiona | May 11, 2015


    O Monitor de Angola aborda a política, economia, desenvolvimento, democracia e direitos humanos em Angola. Publicado trimestralmente pela Ação pela África Austral (ACTSA, sigla em inglês), também está disponível em inglês.

    Esta edição cobrirá:

    Política: Angola membro do Conselho de Segurança da ONU por dois anos; visitas de diversos chefes de Estado; visão alemã de Angola

    Economia: Queda do preço do petróleo provoca revisão do orçamento com uma queda de 25 por cento da receita; Angola busca empréstimos que somam 10 bilhões de dólares; o uso do Fundo Soberano de Angola.

    Direitos Humanos: Ativistas presos em Cabinda; Rafael Marques de Morais acusado de difamação; preocupações acerca da liberdade de expressão e reunião.

    Ajuda e desenvolvimento: Maior mortalidade infantil do mundo; enchentes; desminagem ao redor de Cuito Cuanavale.

     

    Esta edição também está disponível em inglês.

    Mensagens de nossos leitores são bem-vindas. Por favor envie os comentários para info@actsa.org. Para mais notícias e informações sobre Angola e a África austral, visite o sítio do ACTSA: www.actsa.org.

     

    Política:

    Angola assume cadeira no Conselho de Segurança da ONU

    No dia 1º de janeiro de 2015, Angola iniciou seu período de dois anos como membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU. O país foi o único candidato da África.  Existe uma demanda por reformas do Conselho de Segurança que possui cinco membros permanentes com poderes de veto e dez membros não permanentes. Angola se juntará à Nigéria como os membros africanos do Conselho de Segurança. O período da Nigéria terminará no final de 2015 e o de Angola no final de 2016.

     

    Visitas de chefes de Estado

    O presidente angolano, José Eduardo dos Santos, realizou, de maneira incomum, duas visitas internacionais no período de janeiro a março de 2015. Ambas as visitas foram para países vizinhos.

     

    Em janeiro, o presidente visitou a República Democrática do Congo. Acordos de cooperação nas áreas de transportes e comércio interfronteiriço foram assinados.

     

    No mês de março, José Eduardo dos Santos esteve presente na posse do presidente da Namíbia, Hage Geingob. Em abril, o presidente Hage Geingob realizou uma visita a Angola, sua primeira visita internacional desde a posse como presidente.

     

    O presidente da Zâmbia, Edgar Lungu, fez uma visita oficial a Angola em fevereiro, sua primeira visita oficial desde sua eleição em janeiro de 2015.

     

    O presidente do Congo (Brazzaville), Denis Sasou Nguesso, realizou uma visita oficial a Angola no final de março. Esta foi sua segunda visita ao país em um ano. As visitas parecem indicar um relaxamento das tensões entre os dois países. As tensões se seguiram às incursões de Angola dentro de territórios do Congo Brazzaville em busca de separatistas de Cabinda; as relações entre os dois países agora melhoraram.

     

    FNLA reelege seu presidente

    Após uma eleição contestada em fevereiro, Luca Ngonda foi reeleito presidente da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA). A FNLA foi um dos movimentos de libertação que lutaram contra os portugueses. Nas eleições de 2012, o partido obteve 1,1por cento dos votos e dois assentos na Assembleia Nacional.

     

    Perspectiva alemã de Angola

    Em março, durante a visita de quatro navios da marinha alemã a Angola, o embaixador alemão em Angola afirmou que a Alemanha vê Angola como um poderoso e influente agente regional na África. O embaixador destacou o papel de Angola na manutenção da paz e estabilidade no Golfo da Guiné.

     

    Britânicos treinarão militares angolanos?

    Durante uma visita a Angola em março, o diplomata britânico, Richard Arkwright, afirmou que o Reino Unido havia encaminhado propostas para que o país fornecesse treinamento militar para soldados angolanos.

     

    Economia:

    Queda dos preços do petróleo, revisão do orçamento

    Em resposta à queda dos preços do petróleo, Angola definiu um orçamento revisado no fim de fevereiro. O orçamento inicial baseava-se no preço do barril de 81 dólares. O novo orçamento considera o valor de 40 dólares por barril. O valor por barril no final de março estava em 55 dólares. O novo orçamento apresenta uma redução de 25por cento dos recursos, de 7,2 para 5,4 trilhões de Kwanzas (cerca de 15 bilhões de dólares). Todos os setores sofreram cortes, sendo o setor econômico (que cobre energia, indústria e transporte) o mais afetado, com redução da ordem de 44 por cento. O setor da defesa foi o menos afetado, sofreu redução de 17,2 por cento. O impacto que os cortes terão no setor de serviços ainda não é claro. Apesar de esforços com relação à diversificação econômica, Angola permanece profundamente dependente do petróleo que representa cerca de 46 por cento do PIB, 80 por cento da receita do governo e 95 por cento das exportações do país.

     

    Angola busca empréstimos

    Devido à queda prevista de receitas oriundas do setor petroleiro, há relatos de que Angola estaria buscando empréstimos, tanto de fontes comerciais como do Banco Mundial, de onde espera-se que em maio seja tomado um empréstimo da ordem de 500 milhões de dólares para apoio ao orçamento. Angola nunca antes havia buscado empréstimo para ajuda ao orçamento. Espera-se, ainda, que o país emita um Eurobond para arrecadar 1,5 bilhão de dólares. Planos de emitir este tipo de título foram adiados em diversas ocasiões no passado. Estima-se que Angola busca emprestar 10 bilhões de dólares.

     

    Fundo Soberano pronto para investir 1,4 bilhão de dólares

    O Fundo Soberano de Angola (FSDEA) investirá 250 milhões de dólares em cada um dos setores de mineração, madeiras e agricultura. O valor também será aplicado para ajudar empreendedores que têm dificuldades em obter capital de fontes tradicionais. Outros 400 milhões de dólares serão investidos na saúde. O Fundo Soberano, presidido pelo filho mais velho do presidente, José Filomeno dos Santos, tem como objetivo apoiar a economia de Angola para além do setor petroleiro. No último ano, foram investidos 1,6 bilhão de dólares em infraestrutura e turismo ao redor da África.

     

    100 milhões de dólares pagos por Angola para uma empresa de fachada?

    Isto é o que alega o jornalista investigativo Rafael Marques de Morais. Ele afirma que no dia 22 de janeiro de 2015, o Fundo Soberano de Angola (FSDEA) transferiu a quantia de 9.948.750.000 kwanzas, (aproximadamente 100 milhões de dólares) para a empresa Kjinga S.A. O jornalista afirma ainda que a Kjinga é uma empresa de fachada, sem nenhum funcionário, criada pelo Banco Kwanza Invest (BKI). O banco foi criado pelo presidente do FSDEA e primogênito do presidente José Eduardo dos Santos, José Filomeno dos Santos. O FSDEA comunicou que foi fornecido apoio financeiro para a empresa como forma de apoio ao micro-empreendimento.

     

    Goodyear paga 16 milhões de dólares em multas por pagamento de suborno em Angola e no Quênia

    A empresa de pneus Goodyear pagou 16 milhões de dólares para reguladores norte americanos como multa por pagamentos de subornos através de suas subsidiárias em Angola e Quênia. A Comissão de Títulos e Câmbio dos Estados Unidos havia notificado a empresa por acusações de pagamento de 3,2 milhões de dólares em subornos nos dois países. Afirma-se que mais de 1,6 milhão foram destinados a angolanos que trabalhavam para a Sociedade Mineira de Catoca, UNICARGAS, Engevia Construção Civil e Obras Públicas, Companhia Elétrica de Luanda, Direcção Nacional das Alfândegas e Sonangol. A subsidiária da Goodyear em Angola é a empresa Trentyre. A multa de 16 milhões de dólares foi calculada com base nos lucros (14,1 milhões) obtidos através da atividade ilegal pela qual a empresa é acusada em Angola e no Quênia e nos juros do período (2,1 milhões de dólares).

     

    Diversificação econômica

    O enviado do primeiro-ministro britânico para o comércio em Angola e Nigéria, deputado David Heath, visitou Angola em fevereiro. Esta foi a terceira visita em nove meses visando promover a diversificação econômica e comércio entre Grã-Bretanha e Angola, com foco na agricultura. O enviado comercial britânico disse que investidores de seu país “ficarão animados pelo que eu vi”. David Heath deixará de ser deputado, uma vez que não disputará a reeleição nas eleições britânicas de 7 de maio.

     

    Angola é um dos cinco países africanos que fazem parte da iniciativa Alto Nível de Prosperidade e Parceria, lançada pelo governo britânico em 2013 com intuito de fomentar o comércio e a cooperação econômica com vários países da África. Os outros países participantes da iniciativa são: Costa do Marfim, Gana, Moçambique e Tanzânia. A iniciativa envolve o Ministério dos Negócios Estrangeiros e Commonwealth britânico, o Departamento para o Desenvolvimento Internacional e iniciativas comerciais e de investimentos do Reino Unido. 
     

    Direitos Humanos:

    Dois ativistas pelos Direitos Humanos presos em Cabinada

    Jose Marcos Mavungo e Arão Bula Tempe foram presos na província de Cabinda em meados de março, acusados de estarem envolvidos na organização de uma manifestação que havia sido proibida pelo governador. Tempe é o presidente da Ordem dos Advogados de Cabinda. A Anistia Internacional, Advogados pelos Direitos Humanos, Centro de Litigação da África Austral, a Comissão Internacional de Juristas e a Associação dos Advogados da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC, sigla em inglês) clamaram pela libertação imediata e incondicional dos detidos.

     

    “Estas detenções arbitrárias são os últimos alarmantes exemplos da crescente repressão contra vozes dissidentes, protestos pacíficos e liberdade de expressão em Angola, particularmente na província de Cabinda”, afirmou Muleya Mwananyanda, vice-diretor da Anistia Internacional para a África Austral.

     

    Rafael Marques de Morais: homenageado em Londres, acusado em Angola

    Em cerimônia ocorrida em Londres no dia 18 de março, o jornalista investigativo angolano Rafael Marques de Morais foi um dos premiados pela organização britânica Index on Censorship como “Jornalista do Ano pela Liberdade de Expressão”. Ele dedicou a premiação aos etíopes Eskinder Nega, Reeyot Alemo, e aos blogueiros do grupo Zone 9, presos na Etiópia, de acordo com Rafael Marques, pelo “crime de exercer seus direitos à liberdade de expressão”. O jornalista celebrou o poder da solidariedade dizendo que ela traz esperança. De volta a Angola no dia 24 de março, Rafael Marques de Morais foi a julgamento, acusado por difamação criminosa. Inicialmente respondendo nos tribunais a nove acusações, Rafael Marques foi informado que haveria outras 15, totalizando 24 acusações. Caso condenado por todas as acusações, ele poderá ser preso por até 14 anos, além de possíveis multas de mais de um milhão de dólares. As acusações têm origem nas alegações e acusações feitas por Rafael Marques de Morais em seu livro “Diamantes de Sangue: tortura e corrupção em Angola”, publicado em Portugal em 2011. O livro aponta para sérias violações aos direitos humanos cometidas por ou com consentimento e conhecimento de militares de alta patente e empresas nas minas de diamante de Angola. Os denunciantes inicialmente tentaram acionar tribunais portugueses, no entanto as autoridades do país foram contrárias aos apelos alegando não haver o que responder. Ações legais, então, foram iniciadas nos tribunais angolanos. Diversas organizações, incluindo a Anistia Internacional, a Iniciativa pela Defesa Legal da Mídia, o Centro de Litigação da África Austral, a Artigo 19 e a Publish What You Pay assinaram uma carta aberta publicada no jornal português Público no dia 22 de março. A carta pede que as acusações sejam retiradas. Argumenta-se que Rafael Marques de Morais está sendo atacado por escrever um livro que algumas pessoas não gostaram e que a lei de difamação sob a qual ele está sendo acusado viola a Constituição Angolana e as obrigações de Angola sob as leis internacionais.

     

    O julgamento inicialmente foi adiado para o dia 23 de abril e depois, novamente, para o dia 14 de maio. Rafael Marques deu indicações de que discussões para que se alcance um possível acordo antes do julgamento estavam em andamento. Ele disse que “há uma disposição para conversar que é muito mais importante que ater-se a posições individuais, mas isso não pode impedir o trabalho na área dos direitos humanos, liberdade de imprensa e liberdade de expressão”.

     

    Liberdade de associação e reunião suprimida?

    Esta é a visão da Anistia Internacional acerca de Angola no seu relatório anual de 2014/2015, publicado no dia 25 de fevereiro.

     

    O relatório diz que desalojamentos forçados aumentaram em 2014 com pelo menos quatro mil pessoas tendo suas casas demolidas em Angola, sendo que 700 dessas pessoas foram deixadas sem habitação adequada.

     

    O relatório indica que a polícia e forças de segurança usaram força ou ameaçaram usá-la, além de prender arbitrariamente, a fim de suprimir manifestações pacíficas em Angola. O documento ainda menciona indivíduos que foram acusados por difamação, fazendo clara referência às acusações sofridas por Rafael Marques de Morais.

     

    O relatório da organização Human Rights Watch (HRW) sobre 2014 adota um ponto de vista parecido com relação a Angola apontando para estimativas de que 17.500 pessoas foram desalojadas de Luanda a força. Alguns se mudaram para lotes com infraestrutura limitada a 80 km de distância, além de 7.500 pessoas deixadas sem moradia. A HRW afirma que a liberdade de expressão é severamente restrita em Angola devido à censura e autocensura da mídia estatal e mídia privada controlada pelo partido do governo, além de outras formas de repressão. O relatório diz que repressão política e eliminação de dissidentes continuam ocorrendo em Angola.

     

    Sete funcionários públicos condenados por assassinato

    Isaías Sebastião Cassule e António Alves Kamulingue foram raptados em maio de 2012 (O Monitor de Angola 4/2012). Após repetidamente negar saber do paradeiro dos desaparecidos, o procurador-geral, após vazamento de informações a fontes da imprensa, confirmou no final de 2013 que eles haviam sido raptados e provavelmente assassinados. Sete policiais e agentes de segurança do Estado foram recentemente condenados pelas mortes a sentenças que variam entre 14 e 17 anos.

     

    Isaías Sebastião Cassule e António Alves Kamulingue organizavam manifestações contrárias ao governo quando foram raptados. Durante o julgamento daqueles agora condenados pelas mortes tomou-se conhecimento de que a polícia e o aparato de segurança estatal mantinham Sebastião Cassule e António Alves Kamulingue sob vigilância.

     

    Enquanto alguns afirmam que as condenações são um sinal de que não existe impunidade em Angola, outros expressam dúvidas sobre se o julgamento e as condenações realmente apontam claramente para quem e em qual nível a ordem para o rapto e subsequente assassinato foi dada.

     

    Assassinatos relacionados a seita

    Pelo menos 22 pessoas foram mortas em enfrentamentos entre a polícia e membros da seita Adventista do Sétimo Dia à Luz do Mundo. O número de mortos é provavelmente muito maior. Os enfrentamentos ocorreram no município de Caála, província de Huambo, em abril. A igreja foi fundada por José Kalupeteka após sua expulsão da igreja Adventista do Sétimo Dia e é chamada por alguns de seita Kalupeteka. A polícia afirma que agiu para proteger pessoas em um complexo religioso e após nove policias serem mortos por supostos guarda-costas de José Kalupeteka. A polícia admitiu ter matado 13 pessoas, alegou-se que as mortes ocorreram em autodefesa e para prevenir mais mortes. Alguns relatos sugerem um total de mortos muito maior, de cerca de 200 pessoas. Há informações dizendo que a UNITA, principal partido de oposição, afirma haver mais de mil mortos. José Kalupeteka foi preso. Ele prega que o mundo acabará no dia 31 de dezembro de 2015 e diz que as pessoas deveriam se mudar para regiões remotas de Angola.

     

    Empresas de mineração deveriam adotar e implementar políticas de Direitos Humanos

    Essa é a recomendação chave contida no relatório “Negócios incomuns: mineração no período pós-Marikana – os impactos sobre os Direitos Humanos do setor extrativo da África Austral” publicado em fevereiro pela Business and Human Rights Resource Center. O relatório recomenda que empresas de mineração deveriam:

     

    Adotar e implementar políticas de direitos humanos baseadas em princípios internacionalmente aceitos.

    Implementar devidas diligências de direitos humanos, incluindo o emprego de avaliações independentes de impactos aos direitos humanos, levando em consideração os resultados obtidos ao planejar e implantar projetos e relatar sobre o desempenho com relação aos direitos humanos.

     

    Comprometer a buscar consentimento informado, livre e anterior das comunidades afetadas pelos projetos.

    Desenvolver sistemas de ouvidoria acessíveis aos trabalhadores e moradores em conjunto com trabalhadores, comunidades locais e sociedade civil que sejam independentes e efetivos e cumpram com parâmetros internacionais de Direitos Humanos.

    Proteger direitos dos trabalhadores seguindo trâmites que respeitem normas da OIT, promover a transparência e respeito aos Direitos Humanos em conexão com garantias de segurança e cumprir as normas da Iniciativa de Transparência das Indústrias Extrativas e os Princípios Voluntários de Segurança e Direitos Humanos.

    Respeitar os direitos de defensores dos Direitos Humanos e outros que levantem questionamentos com relação a impactos causados por empresas e estimular governos a proteger e respeitar os direitos de defensores de Direitos Humanos e sindicalistas.

    Adotar e trabalhar pela erradicação de mortes no trabalho.

    Pagar uma quantia justa de impostos.

    Ajuda e Desenvolvimento:

    Maior taxa de mortalidade infantil do mundo

    Dados do UNICEF apontam Angola como o país com a maior taxa estimada de mortalidade infantil do mundo. A UNICEF diz que a probabilidade que um recém-nascido em Angola morra antes do quinto aniversário é de 167 a cada mil nascimentos, quase um quinto. A segunda maior taxa do mundo é de Serra Leoa (161/1000). A taxa da RDC é de 119, da Nigéria 117, de Moçambique 87, Zâmbia 87, Namíbia 50 e África do Sul 44. As taxas dos Estados Unidos e Reino Unido são de 7 e 4 respectivamente.

     

    Malária, diarreia, infecções respiratórias e complicações pós-parto são as maiores causas de mortes, sendo a desnutrição uma causa subjacente. Apesar do brilho e glamour, do boom de construções e do consumo conspícuo de bens de luxo visto em algumas partes de Luanda, além do objetivo de Angola ser um país de renda média até o ano de 2018, a UNICEF estima que 40 por cento da população não tem acesso ao saneamento básico e apenas 42 por cento tem acesso à água potável.

     

    A taxa de desnutrição crônica entre crianças menores que cinco anos em Angola é estimada em 29 por cento.

     

    Empréstimo para melhorar suprimento de água

    O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) aprovou um empréstimo de 127,77 milhões de dólares para melhorias no suprimento de água e saneamento em sete províncias: Cabinda, Cunene, Lunda Norte, Lunda Sul, Namibe, Bengo, e Cuanza Sul. O projeto visa melhorar e aumentar a capacidade institucional, incluindo o gerenciamento. Afirma-se que o empréstimo irá promover o acesso à água para 338 mil pessoas em áreas ao redor de cidades.

     

    Enchentes

    Chuvas intensas e enchentes relâmpago afetaram o oeste de Angola em março e início de abril. Mais de 70 pessoas morreram e centenas, talvez milhares, foram desalojadas. Desconhece-se o número de pessoas realocadas. A velocidade e força das enchentes destruíram prédios e parece ter pegado a população e o governo de surpresa. As províncias mais afetadas foram Benguela e Cuanza Sul.

     

    Em 2009 e 2013 enchentes no mês de março impactaram fortemente Angola,

    Em janeiro de 2015, enchentes afetaram cerca de um milhão de pessoas em Moçambique, Maláui, Madagascar e Zimbábue. Mais de 150 pessoas morreram em Moçambique e mais de 250 no país vizinho, Maláui. Cerca de 250 mil pessoas foram forçadas a abandonar suas casas.

     

    Desminagem de Cuito Cuanavale

    No dia 23 de março comemora-se o aniversário da batalha de Cuito Cuanavale ocorrida em 1988 quando forças angolanas e cubanas derrotaram/afastaram forças sul-africanas e da UNITA. A data é significativa no calendário de Angola, é considerada um momento crucial para o fim do apartheid na África Austral. Cuito Cuanavale é uma das áreas com maior quantidade de minas de Angola. A organização humanitária de desminagem britânica Halo Trust disse ter retirado mais de 27 mil minas da área, mas que ainda são necessários muitos anos de desminagem para que a cidade e as comunidades ao redor da área fiquem seguras.

     

    Angola: um país de renda média até 2018?

    No dia 25 de fevereiro, o vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, reuniu-se com o secretário-geral da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD, sigla em inglês), Mukhisa Kiyuyi, para discutir cooperações para fazer com que Angola se torne um país de renda média. Atualmente Angola é classificada como país subdesenvolvido. A classificação não significa muito para o angolano comum uma vez que Angola recebe muito pouca ajuda estrangeira bilateral. A discussão sobre qual categoria Angola deveria pertencer tem sido estimulada pelo crescimento de sua economia e PIB, baseado no aumento dos preços do petróleo nos últimos dez anos (até recentemente) e produção que alcançou dois milhões de barris/dia. Ainda é discutível se o crescimento beneficiou a maioria dos angolanos ou apenas uma elite. O secretário-geral da UNCTAD, ao afirmar que Angola é um país forte que não pode pertencer à mesma categoria que Burundi, Sudão do Sul e Moçambique, disse que Angola enfrenta desafios gigantescos, “particularmente em setores como educação primária, redução das taxas de mortalidade infantil e materna e deve fazer um “alto investimento” no campo social”. Ele prosseguiu dizendo que Angola precisa diversificar sua economia para reduzir a dependência do setor petrolífero. A UNCTAD havia comentado previamente acerca da falta de avanços de Angola em índices sociais e dos gastos muito inferiores em saúde e educação se comparados a outros países. O gasto nestas áreas é muito menor que os 7% por cento do PIB acordados previamente.

     

    Angola ocupou a posição 149 entre 187 países no quesito desenvolvimento humano de acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano publicado em 2014 pelo Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas. Angola está na categoria de baixo desenvolvimento humano.

     

    Magnificent and Beggar Land: Angola since the civil war

    Terra magnífica e pedinte: Angola desde a Guerra civil (tradução livre do inglês)

    O mais recente livro sobre Angola de Ricardo Soares de Oliveira, publicado em março de 2015 pela Hurst and Co., é um relato do desenvolvimento de Angola desde o fim da guerra civil em 2002. Críticos têm aclamado enormemente o livro, “altamente informativo”, “o melhor estudo de Angola escrito em inglês”, “fascinante, provocativo”, são alguns dos comentários. É uma análise da formação da Angola moderna – atualmente a terceira maior economia na África Subsaariana – pelos vencedores de uma das mais guerras civis longas e mortais da África.

     

     

     

    As matérias do Monitor de Angola não representam necessariamente qualquer posição acordada pelo ACTSA.

     

    Topics: News from ACTSA | No Comments »

    « Previous Entries